16 C
São Paulo
27 de setembro de 2022
QG Notícias

Arquivo

Home » Arquivo
Márcio Silvio

Estilosa Giulia de Osasco com o Sanca no Paulista e na Superliga B

by Marcio Silvio29/06/2021

Central de 22 anos e 1m90, Giulia Hellena Imaculada Dias Magiari é das quebradas de Osasco e parte para mais uma temporada no valente São Caetano. O tradicional clube do ABC está se reafirmando após perder patrocínios e disputar a Superliga na falência – sem poder contratar, atuou com elenco basicamente juvenil.

Por consequência, rebaixamento para a Superliga B. Nesse grupo, a central Giulia de Osasco segue firme e confiante por jogos melhores no semestre – o Sanca vai disputar o Campeonato Paulista e a Superliga B. Estilosa, a block está motivada porque o clube já não vive à deriva, tem marcas apoiando e uma delas é a prefeitura. Então, momento tipo renascer das cinzas.

Giulia foi uma que optou por continuar no período de crise, agora veste a camisa do Sanca com melhores expectativas. Sob comando do técnico Fernando Gomes, a pré-temporada já está rolando no ginásio Milton Feijão sob patrocínio municipal e também da Energis 8 Brasil e da Apetece.

Na Superliga do rebaixamento o time teve sete atletas adultas, sete juvenis e duas saída do infanto. A mescla segue para o Campeonato Paulista e Giulia de Osasco é uma das três adultas que renovaram – tem a ponteira Mari Blum com 37 anos e a líbero Laís com 24; a central vem das bases do Bradesco Osasco, tem bom posicionamento de rede e espera jogar muito para retornar com o Sanca à elite nacional.

Antony de Osasco vem do GEO e não do Audax como divulga a cartolagem 

by Marcio Silvio02/08/2021

O Audax tem mesmo tudo a ver com o meia Bruno Guimarães, um dos grandes nomes da seleção olímpica. O QG Notícias vem destacando isso não é de agora, pautas cantadas aqui antes mesmo de o jogador ir para o Athletico Paranaense. Outro nome divulgado direto é Antony de Osasco, moleque que fez escolinha no São Paulo até explodir.

Então, acontece que o Audax entra na vibe olímpica exaltando os dois nomes como crias da base. A cartolagem tem nota 10 quanto ao carioca Bruno Guimarães, dá tiro na chuteira quanto a Antony de Osasco. O clube da Vila Yolanda ostenta foto do garotinho Antony ainda sub 13 e explora que o astro da seleção surgiu desse escudo. Não, pisada de bola do Audax porque o moleque serviu no Grêmio Esportivo Osasco.

Antony iniciou em 2011 e ficou até 2013, ano quando o GEO comprou o Audax – sem nada de categorias de base, só profissional. Quando o time de São Paulo desembarcou em Osasco encontrou tudo montado e funcionando a mil no centro de treinamento do Jardim Cipava. Então o Audax foi enxertado ali, logo engoliria tudo.

Fechando essa tampa: Bruno Guimarães é mesmo das bases do Audax, Antony de Osasco tem berço no Grêmio Esportivo Osasco. Se o Audax entende que pode misturar as bolas, vai contra os fatos. E o torcedor sabe, até setembro de 2013 o futebol de Osasco era puro GEO.

Brasileirão de Basquete homenageia Maria Helena, técnica do BCN Osasco

by Marcio Silvio02/08/2021

Sim, Osasco teve um timaço no baquete feminino profissional. De um lado havia o já poderoso vôlei feminino do BCN, de outro a equipe comandada pela técnica Maria Helena Cardoso. Hoje aos 81 anos, a lenda volta a ser reverenciada pela Confederação Brasileira de Basquete que a elege entre as maiores jogadoras do Brasil e, claro, entre os melhores técnicos.

Maria Helena fez um grandioso trabalho no Liberatão de Presidente Altino. Vinha do bicampeonato paulista e era abril de 1999 quando anunciou que não renovaria com Osasco.

Ex-técnica da seleção, ela dá nome ao troféu para o melhor treinador do Campeonato Brasileiro que começa em 17 de setembro. São 16 clubes na temporada que marca a volta do Bradesco Osasco – desde a era Finasa, o banco vem apenas com as categorias menores.

Dessa vez, no entanto, tem Bradesco no nacional que reúne atletas sub 23. “Agradeço essa homenagem e também passo o agradecimento de todas minhas companheiras que conseguiram dar um impulso no basquete feminino do Brasil”, diz a eterna treinadora.

Como atleta, tem o bronze no Mundial de 1971, o ouro no Pan de Cali naquele mesmo ano e, antes, prateou nos Jogos Pan-americanos de 1959 e 63. Sim, o jogo dessa grande lenda vem lá de trás da história do basquete feminino. Então, a categoria deve demais a essa gigante.

Luizomar de Moura e o Quênia na Olimpíada: lutamos o bom combate

by Marcio Silvio02/08/2021

O trabalho do técnico Luizomar de Moura com a seleção do Quênia rende altos elogios da Federação Internacional de Vôlei – um projeto piloto que ele encabeçou com toda comissão técnica do vôlei de Osasco desde abril até a rodada final contra o Brasil. As Rainhas Africanas não venceram nenhum set até a eliminação, só que mostrando nível competitivo considerado – evolução tática, evolução física e até administrativa.

Luizomar empregou todo arsenal que usa no Liberatão de Presidente Altino e, em poucas semanas, conseguiu dar alto rendimento à seleção. “Plantamos uma semente”, diz ele ao comentar esse período inédito como técnico olímpico. ” Trabalhamos pra que a participação na Olimpíada de Tóquio marque o raiar de um novo dia pra modalidade no país. O desafio de comandar um grupo inexperiente no esporte internacional exigiu uma mudança de percepção, um novo olhar. Após décadas de trabalho e triunfos tanto nas categorias de base da seleção brasileira como à frente do time de Osasco, deveria ser difícil entrar no vestiário após ver a minha equipe ser superada em quadra na maior competição esportiva do planeta. Não foi.”

Ele explica: “Não foi porque estamos na fase da semeadura – quando é preciso mergulhar fundo na terra e saber esperar o momento de romper as barreiras do solo até começar a crescer. Por isso o meu sentimento, da comissão técnica que me acompanha nessa missão e das atletas, é de missão cumprida nesse início de jornada. É de alegria pela vitória do aprendizado. E tenho certeza que a experiência em praticar o vôlei em meio ao alto padrão internacional, convivendo nesse ambiente e com grandes atletas, confirmará tudo o que trabalhamos. Esse será o primeiro passo rumo a excelência no esporte.”

Por conta do sucesso tático de Luizomar nesse projeto, ouve-se que a Federação Internacional teria feito contato para que o técnico do vôlei de Osasco dê sequência ao que foi semeado. “É como entrar em uma guerra sabendo não ter armamento suficiente e nunca fugir da luta porque se acredita na causa. Foi isso que eu, a comissão técnica e as atletas sentimos e fizemos. Lutamos o bom combate. E o resultado do bom combate é sempre positivo”. E ele crava essa luta em tom quase poético: “O destino levou esse filho do Brasil ao seio da mãe África pra ajudar a escrever um novo capítulo da história do voleibol queniano do outro lado do mundo.”

Com sete anunciadas, novinhas de Barueri aumentam média de idade

by Marcio Silvio15/07/202115/07/2021

Começando a montar o elenco para a nova temporada, o Barueri Vôlei tem a média de idade dois anos acima da formação anterior – disputou a Superliga praticamente com sub 20. O clube que tem no comando o técnico da seleção José Roberto Guimarães, até agora renovou com cinco meninas e anuncia duas contratações.

As sete jogadoras estão entre 21 e 25 anos e isso dá média de 22 anos para o time. Certo, essa roda ainda tem muito para girar, principalmente após o técnico retornar dos Jogos Olímpicos. Hora de conferir as novinhas.

RENOVARAM

KARINA SOUZA
– ponteira, 23 anos, 1m82
JACKELINE MORENO
– levantadora Jacke, 21 anos, 1m73
DIANA ALECRIM
– central Diana, 22 anos, 1m93
LORENA VIEZEL
– central Lorena, 21 anos, 1m90
LORRAYNA MARYS DA SILVA
– oposto Lorrayna, 22 anos, 1m85

CONTRATADAS

LAÍS ZURLI BITTENCOURT VASQUES
– líbero Laís, 25 anos, 1m73 (estava no Praia Clube)
VIVAN LIMA
– levantadora Vivian, 21 anos, 1m81 (estava no Brasília Vôlei)

AGUARDANDO CONFIRMAÇÃO

– ponteira Karoline Tormena (Bluvôlei)
– líbero Paulina Souza (Vôlei Valinhos)
– central Júlia Kudiess (Itambé Minas)
– ponteira Mayara Barcelos (Fluminense

SAÍRAM

– ponteira Carol Grossi (Pinheiros)
– líbero Nyeme (Sesi Bauru)
– ponteira Maira (Sesc Flamengo)
– central Dani Seibt (Fluminense)
– oposto Kisy (Itambé Minas)
– levantadora Kenya Malachias (Osasco)
– ponteira Vitória Parise (Pinheiros)

 

Artilheiro Teleco viveu em Osasco até os 86 anos e agora é eternizado no Corinthians

by Marcio Silvio22/09/201922/09/2019

No começo dos anos 30 ele jogava pelo paranaense Britânia e em 1934 se apresentava no Corinthians e para fazer história. Uriel Fernandes, o Teleco, assinaria as páginas do clube como terceiro maior artilheiro.

Tricampeão paulista (1937, 38 e 39), posou como artilheiro absoluto do alvinegro nos dez anos que ficou no clube. As estatísticas mostram 1,02 gol por jogo na conta de Teleco e o total bate em 256 gols em 249 jogos – em média de gols, o mito segue como recordista do futebol brasileiro. O jogador teve teve breve passagem pelo Santos em 1944.

De volta aos portões corintianos, sim, Teleco é história. Os 256 gols dele perdem apenas para os 269 de Baltazar e para os de Cláudio, recordista com 305. Paranaense de Curitiba em 1913, quando se apresentou no Corinthians era um rapaz de 20 anos. No entanto, já aos 30 anos despedia-se do futebol e com um histórico impressionante. Ao pendurar as chuteiras, Teleco continuou no Parque São Jorge e trabalhando como responsável pela Sala de Troféus. O jogador vivia em Osasco e onde faleceu em junho de 2000 aos 86 anos.

Até então apenas lembrado pelos arquivos do clube, agora o artilheiro torna-se uma imagem soberana e eterna no Parque São Jorge, pois ontem a diretoria corintiana inaugurou o busto do craque na sede social, ao lado do de Luizinho.

Usamos cookies com objetivo de melhorar sua visita aqui. Você consente? Mas caso não esteja de acordo, tudo certo também. Aceito Mais