QG Notícias | Base segura de informação e conteúdo

Pré-candidato a presidente Álvaro Dias recebe a imprensa em Osasco e fala sobre a presidência da República

Pré-candidato a presidente Álvaro Dias recebe a imprensa em Osasco e fala sobre a presidência da República
setembro 23
18:47 2017

Com o presidente da Câmara Lindoso que foi convidado para ir para o PODEMOS

O senador Álvaro Dias (Podemos) esteve na manhã deste sábado (23) em Osasco. Pré-candidato a presidente da República o senador visitou as dependências do parque gráfico do jornal Diário da Região. Logo após sua chegada o senador recepcionou a imprensa em uma coletiva com diversos órgãos e entidades representativas. Álvaro Dias, seguiu depois, a um famoso restaurante para almoçar com o prefeito Rogério Lins e o presidente da Câmara Dr. Elissandro Lindoso.

 

 

 

Foro Privilegiado

Na primeira indagação, a resposta sobre qual situação se encontra a proposta para acabar com o foro privilegiado para políticos. “Demos um passo adiante agora. Foi designado o relator na comissão de Justiça da Câmara; é o deputado Efraim Filho que já preparou o parecer favorável aprovando na íntegra o projeto que veio do Senado e está agora pronto para ser pautado. Dizer da importância da aprovação do projeto com absoluta urgência. O projeto levou quatro anos no Senado; é de minha autoria é de 2013. A estratégia dos contrários é impedir a deliberação. Na Câmara o projeto tem que entrar em regime de urgência. Nos temos a Lava jato, temos uma eleição no ano que vem e se o fim do foro privilegiado não ocorrer certamente ficaremos com uma amarga sensação de impunidade, porque muitas autoridades sequer serão julgados”.

 

Reforma da Previdência e Trabalhista

Outro tema importante foi sobre as  reforma trabalhista e a da Previdência. “A Trabalhista já foi aprovada; é um fato consumado. Com falhas, tanto é que há ação direta de inconstitucionalidade do próprio Ministério Público. Uma reforma que ao invés de eliminar conflitos acaba alimentando mais. Pelo que vejo teremos que fazer a reforma da reforma num próximo governo. Quanto a Reforma da Previdência, eu advogo que há uma preliminar indispensável. O governo tem que esclarecer à sociedade sobre a aplicação  dos recursos destinados a Seguridade Social. A avaliação que nós fazemos é que a Previdência Social é superavitária se os recursos destinados a ela fossem integralmente aplicados na Previdência Social. Ocorre que há desvios de finalidades na aplicação desses recursos”.

 

Candidatura a Presidente

O senador foi questionado sobre sua pretensa disputa à Presidência da República: “Eu nunca postulei uma candidatura, mas temos que ter a humildade da exata noção dessa natureza. Não cabe a opção pessoal. Esse enfrentamento só pode existir se for resultante de uma convocação e foi o que ocorreu no lançamento do nosso partido Podemos cuja presidente é a deputada Renata Abreu  e houve uma convocação. É um partido que quer ser diferente dessa mesmice partidária existente no Brasil e que tem que ter um interlocutor  para a apresentação de seu projeto de nação. E essa convocação é uma missão imposta. Por isso que ao invés de buscar o caminho mais fácil, nós estamos buscando um caminho tortuoso difícil de caminhar. No meu caso pessoal, o que me anima é eu ter tido toda minha trajetória política governista, apenas quando eu fui governador do estado do Paraná. E depois fui governista seis meses no segundo mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso. Já rompi e já fui oposição. Então, minha trajetória na política é de oposição. Fazendo sempre o inverso da política daqueles políticos que buscam a sombra do poder e eu procurava sempre  o sol causticante da oposição, especialmente diante de governos  muitas vezes autoritários como tivemos nos últimos anos. Então, agora eu acho que chegou o momento de me colocar à disposição para essa fase construtiva da minha trajetória política que seria oferecer uma alternativa de governo para o país”.

 

Crise atual

Álvaro Dias, também falou sobre a grave crise que assola o país e a forma para revertê-la: “Tem que começar pela reforma do Estado. O enxugamento dessa máquina descomunal que engordou e se tornou  preguiçosa e incompetente pra atender o apetite dos chupins da República; aqueles que correm para a sombra do poder para dele se beneficiar. Construiu-se no Brasil, nasceu um monstro e nós temos que dar fim nesse monstro; derrotar esse monstro. Fazer a reforma do Estado. Fazer a refundação da República, estabelecer uma nova relação entre os poderes e a partir daí promover as reformas necessárias pra chegar a todas essas questões de importância como saúde, educação, geração de emprego, segurança pública. Hoje temos dificuldade até de eleger o básico para a população porque todas essas questões se tornaram cruciais para a função do aprofundamento da crise. Você sabe que a violência cresceu assustadoramente, mas nem por isso a saúde deixou de ser um caos e a educação um retrocesso. Há de se atacar em todas as frentes e isso se começa com a matriz. Porque esse sistema de governança é a matriz desses governos corruptos e incompetentes. É a usina dos grandes escândalos de corrupção. Então nós temos que partir da reforma do Estado, da reforma  do sistema federativo, reforma tributária pra reduzir a desigualdade sociais pra gerar emprego  e promover desenvolvimento. Não esquecer o que alavanca o progresso do Brasil e que pelo menos por mais trinta anos o que vai alavancar o progresso do Brasil é o agronegócio. Isso é o que está sustentando o Brasil nos últimos 25 anos e que foi responsável pela balança comercial  em valores de 300 milhões de dólares. Não fosse a agricultura, nós teríamos um déficit de quinhentos milhões de dólares”.

Compartilhar

Sobre o Autor

Nilson Martins

Nilson Martins

[email protected]

Facebook
Facebook
LinkedIn
Instagram