15.9 C
Osasco
17/07/2019
QG Notícias | Base segura de informação e conteúdo
Esporte

Mentora da ginástica rítmica de Osasco é a única árbitra brasileira no Mundial de Moscou

Há cinco temporadas ela forma no quadro da Secretaria de Esportes de Osasco e respondendo pela ginástica rítmica. Mas quando iniciou não havia modalidade, esse é o fato. No entanto, Maria da Conceição chegava com um histórico considerável e logo foi à luta para abrir caminho.

Hoje a ginástica rítmica não é só realidade de sucesso nos quadros municipais como tem atletas de alta competição como a juvenil Viviane Oda Miranda, que em poucos dias estará no Mundial de Moscou.

Vivi é atleta de Guaratinguetá e contratada por Osasco via professora Maria da Conceição. Na época, a ginasta tinha 9 anos de idade e explodiria nos pódios competindo pela Secretaria de Esportes.

Pois bem, essa mesma Maria da Conceição e que responde pela modalidade, é referência técnica da Confederação Brasileira. Já viajou o mundo acompanhando os principais eventos e, agora, tem mais um grande reconhecimento profissional ao ser convocada para arbitrar no Mundial da Rússia.

Se Osasco tem Vivi Oda no tapete de Moscou, também conta com a professora Maria da Conceição no seleto grupo da arbitragem. No mais, ela é a única brasileira convocada para o Mundial Juvenil, de 19 a 21 próximos.

Natural de São Luís do Maranhão, tem a vida dedicada à ginástica rítmica. Formada na USP, logo nos primeiros anos de educação física ela conheceu a modalidade. Desde então, não apenas trabalhou forte com a ginástica rítmica mas buscou especialização internacional.

Bem antes de Osasco entrar nessa história, já como árbitra ela atuara no Mundial de Alicante (Espanha 1990), no Mundial de Budapeste (Hungria 1996) e no Pan-americano de Havana (Cuba 1996). Maria da Conceição também tem passagem como técnica de seleção ao assumir o time da Guatemala e onde ficou por oito meses.

O Mundial de Moscou tem alta importância por ser o primeiro da categoria juvenil. A Rússia é um dos berços da ginástica rítmica e a escolha como sede dessa primeira edição tem tudo a ver.

NOTA
– chega informação de uma segunda árbitra indo para o Mundial, a paranaense Márcia Aversani.