Algo deu errado com a conexão!

Luizomar de Moura sofre oposição e pode ser dispensado do Peru

 Extra!
Luizomar de Moura sofre oposição e pode ser dispensado do Peru
abril 16
14:21 2018

Enquanto concentra forças para fechar patrocinador no lugar da Nestlé, o técnico Luizomar de Moura, gerente do Osasco Vôlei Clube, tem outra preocupação que é a seleção feminina do Peru.

Em janeiro do ano passado ele assumiu o comando da equipe nacional, em Lima. As condições do brasileiro foram totalmente aceitas pela Federação Peruana e, então, Luizomar iniciou os trabalhos sob contrato para até 2020 e com objetivo de classificar o Peru à Olimpíada de Tóquio.

Quem garantia todo suporte dessa negociação era a presidente Diana Gonzales Delgado. Acontece que a gerência da FPV entrou em xeque e sofrendo diversas denúncias de irregularidades.

Enquanto Luizomar de Moura falava do projeto olímpico e comandava a seleção no Sul-americano, o pau comia nos bastidores da federação. E o resultado chegaria no início de fevereiro deste ano, quando a entidade anunciou o impeachment da presidente Diana.

Quem comanda o vôlei nacional é a vice, Carmen del Pilar Gonzales López e que não tem nada a ver com os acertos da ex-presidente quanto a Luizomar. A partir daí, portanto, o tapete começou a ser puxado, chegando ao ponto de já ter um nome bombando no Peru para ocupar o lugar do brasileiro.

Carlos Aparicio Saldaña é técnico do Alianza Lima e vem divulgando que está fechando com a Federação Peruana. E garante que o anúncio da posse está para ser divulgado.

A saída da ex-presidente tira a âncora que garantia Luizomar. Além da ausência física no comando da seleção, a crítica que mais pega na federação é o alto salário do treinador – valor em sigilo.

Sim, abrindo mão do brasileiro o vôlei peruano economizaria muito com um técnico local. Por outro lado, estaria perdendo no quesito internacional porque Luizomar, todas críticas à parte, tem histórico inquestionável e vale o que pede.

O Peru está num momento decisivo e coloca em xeque o projeto para Tóquio 2020. Até então a seleção não vinha evoluindo nada, mas a chegada de Luizomar fez nascer o sonho olímpico.

Resta saber se voltando a trabalhar com profissionais da casa a Federação Peruana vai conseguir cumprir o projeto traçado pela ex-presidente Diana Delgado e Luizomar de Moura.

 

Enquanto isso, em Osasco…

Nos próximos dias o técnico Luizomar deve anunciar o patrocinador para o lugar da Nestlé. Ele já antecipou que a Vedacit deve continuar na camisa e aumentando um pouco mais a participação.

Graças a essa empresa que Osasco teve condições de participar do Mundial do Japão no final do ano passado; e foi com o aporte da Vedacit que Luizomar conseguiu a peruana Ángela Leyva, por exemplo, além do salário da sérvia Nadja Ninkovic.

O mercado está aberto para todas jogadoras e algumas carimbadas como Camila Brait, Tandara e Bia encabeçam a lista de renovação; mas as demais estão disponíveis.

A levantadora Fabíola conversa com o Praia Clube, mas há boatos apontando a jogadora para o Vôlei Bauru; a volta de Camila Brait, naturalmente que representa a saída de Tássia. Portanto, nenhuma novidade quanto a isso.

Mas há um porém com relação a Fabíola, caso ela deixe mesmo Osasco. É que havia expectativa quanto ao retorno de Dani Lins, só que está correndo que a levantadora vem conversando para se ajustar com o Hinode Barueri. Se for isso mesmo, então Luizomar de Moura tem mais um problemão.

Por ora ele vem fechando acertos verbalmente, até que o novo patrocinador entre em cena. Isso já está encaminhado, segundo fonte que acompanha diretamente esse processo. Até o final de mês, conforme garante essa fonte, Luizomar e a prefeitura estarão posando com a nova marca de Osasco.

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio

marciosilvio@qgnoticias.com

%d blogueiros gostam disto: