QG Notícias | Base segura de informação e conteúdo

Em busca de refúgio, venezuelanas passam pelo futebol de Osasco

 Extra!
Em busca de refúgio, venezuelanas passam pelo futebol de Osasco
abril 14
20:48 2019

No ano passado o Audax anunciava duas venezuelanas. A temporada não foi nada legal para a equipe de Osasco, só que para essas meninas o significado de jogar no Brasil tinha peso de título.

A goleira Lisbeth Castro e a atacante Paola Villamizar deixavam para trás a turbulência do país vizinho e onde o futebol não tem mercado. Sonhando com o futuro no Brasil, cruzaram por Pacarima/RR que é a rota da migração.

O futebol profissional na Venezuela é nivelado por baixo e com o salário não significando nada. Por exemplo, uma atleta top de linha não recebe mais que 500 reais. No entanto, o país tem seleção e todas jogadoras do exterior retornam à pátria para defender a camisa sagrada.

As duas que se apresentaram no Audax são titulares do país. Fizeram um campeonato bem disputado, mostraram um futebol de qualidade e, ao deixarem Osasco, foram para um contrato ainda melhor com o 3B da Amazônia.

Paola seguiu mandando muito bem e, ao final da temporada passada, festejou contrato com o Santos. Hoje é uma das Sereias da Vila disputando o Campeonato Paulista e o Brasileiro A1.

Quanto a Lisbeth, na tarde de hoje em Manaus ela atuou sob o travessão do 3B, é a capitã e comemorou a segunda vitória no Brasileiro A2, 7 a 0 no Operário de Mato Grosso. O 3B lidera o grupo 2 do nacional com dois jogos e duas goleadas – na estreia, 9 a 2 no Porto Velho de Rondônia.

As Sereias jogaram hoje à tarde e bateram o São José por 2 a 1; na sexta-feira estarão na Fonte Luminosa contra a Ferroviária de Araraquara e pelo Brasileirão. Hoje contra o São José, a venezuelana Paola iniciou no banco e na etapa final entrou no lugar de Patrícia Sochor.

Em Manaus e em Santos, Lisbeth e Paola realizam o sonho de sucesso no futebol brasileiro, sonho que teve início em Osasco. Mas quando a país as chamar para defender a seleção, estarão presentes porque o refúgio no Brasil é pelo crescimento profissional e pela qualidade de vida; acima de tudo, são venezuelanas.

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio

marciosilvio@qgnoticias.com

Artigos Relacionados