15.8 C
Osasco
21/05/2019
QG Notícias | Base segura de informação e conteúdo
Justiça

Contas de Flavio Bolsonaro perde o sigilo bancário a pedido do TJRJ

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) autorizou a quebra dos sigilos bancários do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

O pedido, feito pelo Ministério Público do Rio (MPRJ), foi autorizado no dia 24 de abril e mantido em sigilo até este momento. A medida se estende não só a Flavio Bolsonaro, Queiroz e seus respectivos familiares e empresa, mas também a outros 88 ex-funcionários do gabinete de Flávio, quando ele era deputado estadual, seus familiares e empresas relacionadas a esses empregados.

Na lista de ex-funcionários de Flávio que terão o sigilo quebrado, constam Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado pelo MPRJ como miliciano e um dos líderes do Escritório do Crime, organização suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol), executada em março de 2018. Foragido, o ex-policial é acusado de participação em vários homicídios, registrados em 10 anos. Adriano já foi homenageado por Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Na lista de ex-funcionários de Flávio que terão o sigilo quebrado, constam Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado pelo MPRJ como miliciano e um dos líderes do Escritório do Crime, organização suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol), executada em março de 2018. Foragido, o ex-policial é acusado de participação em vários homicídios, registrados em 10 anos. Adriano já foi homenageado por Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). (Conteúdo Metropoles)

Related posts

Supremo barra pagamento a advogados com verbas do Fundeb

Nilson Martins

Lava Jato e a articulação de Gilmar Mendes para beneficiar Aloysio Nunes

Nilson Martins

TRF4 nega último recurso e prisão de José Dirceu é inevitável

Nilson Martins