16.5 C
Osasco
20/05/2019
QG Notícias | Base segura de informação e conteúdo
Esporte Home

A queda do Império Audax: em dois anos diretoria implode tudo

Audax: do vice de 2016 a dois rebaixamento

Desde quando comprado pelo Grêmio Esportivo Osasco em 2013, o Audax entrou com tudo na vitrine do futebol brasileiro e atingiu o pico com o vice-campeonato paulista em 2016.

No entanto, a partir de então o castelo de ouro começou a tremer nas bases por conta de uma diretoria que hoje prova-se despreparada para o sucesso.

Tanto que em dois anos o Império Audax cai duas vezes seguidas. Entrou com toda pompa no Paulistão do ano passado e foi rebaixado de forma vergonhosa para a série A2.

E agora chora o segundo e mais vergonhoso rebaixamento, para a série A3 do Campeonato Paulista. Isso mesmo, ano que vem o rico Audax disputa a série que é a imediata à 2ª divisão.

 

Por que o Audax não se manteve na elite?

A reclamação da maioria dos clubes é a falta de grana. Mas em Osasco o futebol não tem esse problema, pois conta com investimento milionário de um apaixonado que é Mário Teixeira, ex-conselheiro do Bradesco.

O homem da grana é um, a diretoria é outro papo. Mário Teixeira é de negócios, não pega e não aceita nada que não tenha expectativa de lucro. Tem sangue de banqueiro e sustenta essa linha no futebol.

Mas quem vem abaixo dele? O abre-alas é o ex-jogador Vampeta e que, agora, cai na malha da torcida de Osasco. Famoso pelas piadinhas e também por ostentar a riqueza do clube, é o eleito pelo torcedor como principal responsável pelas duas quedas.

E por que o Audax não se manteve? Logo após o vice-campeonato o time entrou em desmanche, Vampeta fez outras escolhas, não se planejou para garantir o time no topo e deu no que deu.

 

O desmanche

Na campanha do vice-campeonato o Audax não apenas jogou muito, como também teve muita sorte para chegar à final.

Seja como for, lá estava o time da Grande São Paulo contra o histórico Santos para a decisão. No comando do Audax, o técnico Fernando Diniz e um elenco realmente ajustado.

O primeiro jogo ficou no 1 a 1 no Rochdalão, com o Santos fazendo 1 a 0 na Vila Belmiro. E quando a festa do vice-campeonato acabou, o goleiro Sidão anunciava que estava indo para o Botafogo do Rio.

A porteira para as negociações do clube estavam escancaradas e o presidente Vampeta liberou geral. Para lembrar alguns, Tchê Tchê no Palmeiras; Yuri para o Santos; Camacho e Bruno Paulo no Corinthians; Ytalo no São Paulo e Mike para o Inter de Porto Alegre.

Outras negociações foram assinadas pelo presidente Vampeta e, assim, o Audax que entrou no Paulistão do ano passado estava totalmente desfigurado com relação à equipe vice-campeã de 2016.

O técnico Fernando Diniz seguiu no comando do time que fez uma estreia espetacular ao meter 4 a 2 no São Paulo. Esse placar levou o presidente Vampeta aos píncaros da altivez, com declarações e zombarias que renderam muito na mídia.

Mas ficou nisso e, jogo a jogo, eis o Audax caindo pelas tabelas até o fundo do poço e culminar com a tampa fechada – rebaixado para a série A2.

 

Mário Teixeira ameaça acabar com tudo

O rebaixamento tirou o superman do Audax do sério. Mário Teixeira, ainda no vestiário do estádio do Rochdale, berrava que poria fim a tudo e que não tinha conversa.

Mas teve. Bastou alguns dias para que tudo voltasse a ser como antes, com Vampeta & Cia. na mesma boa maré com Mário Teixeira.

Todo mundo prometendo reabilitação moral na Copa Paulista, só que o Audax volta a ser um fiasco total ao ser eliminado logo na 1ª fase.

Então vem a série A2, novas juras pelo retorno à elite paulista mas com o vexame de novo rebaixamento. Lembrando que Fernando Diniz deixara o comando em junho.

 

Audax: do vice de 2016 a dois rebaixamento

Related posts

Oeste Barueri já vê a boca do poço e sabe o que precisa ser feito

Marcio Silvio

Taboão reencontra vitória e volta a sonhar com acesso

Marcio Silvio

Juíza nega recurso para Rogério Lins e ele continua como procurado por determinação da justiça

Nilson Martins