OSASCO: Obras no Rochdale prometem amenizar enchentes

OSASCO: Obras no Rochdale prometem amenizar enchentes
dezembro 08
10:51 2017

Após uma grande cheia ocorrida no mês passado, a Prefeitura de Osasco está acelerando  a  megaobra que servirá para amenizar as enchentes na região do Braço Morto do Rio Tietê, entre os bairros do Rochdale e Jardim Aliança, na zona Norte. As obras foram  iniciadas no final do mês passado. Para a megaobra, a Prefeitura mobilizou as secretarias de Obras, Habitação, Meio Ambiente e Assistência Social. As ações consistem na retirada de barracos construídos sobre o rio, remoção das famílias e cadastramento em programas habitacionais, limpeza, rebaixamento da calha e alargamento do  leito do Braço Morto. Na terça-feira, 5, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, esteve no local para verificar os serviços que estão sendo executados ao longo do Braço Morto, entre o Piscinão do Rochdale e a Avenida Passaredo, no Jardim Aliança.

Limpeza e desobstrução

Ao longo de sua caminhada na margem direita do rio, sentido Rochdale/Aliança, liberada também ao trânsito de veículos, Rogério Lins conversou com dezenas de moradores e comerciantes que se mostraram confiantes no trabalho da Prefeitura contra as enchentes e alagamentos. “Iniciamos aqui essas obras que não são apenas paliativas e nem somente de manutenção”, disse o prefeito. São ações que vão à raiz do problema, desobstruindo tubulações que há décadas estavam entupidas, acabando com os problemas das enchentes nessa região. “Agora, as máquinas da Prefeitura já estão trabalhando e executando serviços de limpeza, rebaixamento da calha em dois metros e também vão alargar o leito, dando maior fluidez às águas do Braço Morto do Tietê”, completou.

Novas moradias

Cerca de 150 famílias já saíram  e outras 80 serão removidas nos próximos dias. Em sua maioria, essas famílias são encaminhadas para o programa Bolsa Aluguel até ficarem prontas as unidades habitacionais, conforme o cadastro delas na Prefeitura. Nesses primeiros dias de obras, já foram retiradas mais 80 toneladas de lama e entulho do Braço Morto. Após a remoção dos moradores, funcionários da Prefeitura iniciam a retirada dos barracos construídos com palafitas sobre o leito do Braço Morto. De acordo com secretário da Habitação, Ângelo Melli, ao longo dos anos, uma série de entulhos foi se acumulando nessas palafitas, criando barragens e impedindo o escoamento natural. Somadas ao assoreamento do rio, essas

Compartilhar

Sobre o Autor

Nilson Martins

Nilson Martins