Datena confirma convite do PSB para candidatura a prefeito de São Paulo

julho 23
00:40 2015

O jornalista José Luiz Datena mescla frases como “eleição armadilha é para idiotas” e “sou um cara movido a desafios” para negar e ao mesmo tempo se posicionar como um possível candidato à prefeitura de São Paulo em 2016. O apresentador do programa Brasil Urgente, da Rede Bandeirantes, confirma que foi sondado formalmente pelo PSB e que já conversou com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) sobre o assunto. Mas, como fazem quase todos os políticos a um ano e três meses da eleição, nega uma eventual candidatura. E ressalva: “o perigo é deixar a vaidade se afastar da realidade”.

Datena confirma que teve uma conversa “muito boa” com o vice-governador Márcio França, presidente estadual do PSB, quando recebeu um convite formal para se filiar ao partido. Uma nova reunião entre o jornalista e o vice-governador está marcada para a semana que vem. Um dirigente do PSB, entretanto, afirma que na verdade foram dois encontros. Datena teria afirmado que considera o PSB um partido importante, que não carrega máculas como os partidos grandes, e que poderia acolher bem a ideia de construírem juntos uma proposta para São Paulo. Do lado do PSB, dirigentes teriam ficado bem impressionados com a articulação e preparo do jornalista.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que o contato com Datena é preliminar e não prejudica as tratativas com a senadora Marta Suplicy (sem partido) que, adiou por duas vezes sua filiação ao partido e admitiu conversas com o PMDB. “O Datena pode até se filiar (ao PSB), mas não pra tirar a candidatura dela (Marta) não”, disse. “Sei dessa conversa e não tem problema nenhum no Datena vir para o partido, mas há uma negociação em curso com a Marta que não foi concluída”, prosseguiu o dirigente. Marta está em viagem de férias e ficou de dar uma resposta mais clara ao PSB quando retornar, na semana que vem. Segundo a direção nacional do PSB, a princípio, a filiação de Marta segue prevista para 15 de agosto. Questionado se o convite feito pelo PSB era um recado à senadora Marta Suplicy (sem partido), Datena diz apenas que “as pessoas não precisam temer antes do tempo”.

Outros

O apresentador disse ainda que foi “sondado por outros políticos”, sem dar nomes. “Esses caras ainda vão ter que se coçar muito”, disse, referindo-se a um possível convencimento. “Quero que me convençam que sou necessário e importante. Até agora não fui convencido.”

datena

 

Sobre a conversa que teve com Alckmin, Datena relata que o governador falou sobre as agruras de um candidato e não fez qualquer convite. “Foi no Palácio dos Bandeirantes, logo após a morte de Thomaz (filho do governador, morto em um acidente de helicóptero em 1º de abril). Conversamos por umas duas horas no Palácio (dos Bandeirantes) sobre o que tinha acontecido e uns dez minutos sobre a vida política. Ele me disse ‘se você entrar num negócio desse não tem nada a ganhar, só a perder”, disse.

Datena nega intenção de se candidatar, mas seu discurso indica o contrário. “Nunca tive pretensão política mas como cidadão estou convencido que já chega. As opções (de candidatos) estão cada vez mais escassas”, disse. “Se eu me candidatar não vou depender de marqueteiro político. Não vou permitir que me digam o que fazer. Não tenho experiência administrativa, mal sei administrar a minha casa, mas é necessário saber delegar”, completa.

O jornalista também já ensaia ataque ao prefeito Fernando Haddad (PT), com quem concorreria caso se decidisse pela candidatura. “Não sou mole como o Haddad, que diz que é amigo do Lula mas que tem falado pouco com ele. Eu também sou amigo do Lula e falo pouco com ele, mas não esqueço a gratidão que tenho por ele”, disse o apresentador, lembrando que, quando foi submetido a uma delicada operação no pâncreas, a primeira ligação que recebeu foi do então presidente da República. Apesar de afirmar que “jamais ficaria contra o Lula”, Datena não poupa o ex-presidente. “Fiquei triste quando Lula apertou a mão do (deputado federal do PP, Paulo) Maluf para eleger o Haddad”, disse, descartando uma eventual filiação ao PP. O vice governador e presidente estadual do PSB, Márcio França, não foi localizado pela reportagem para falar sobre o convite feito a Datena para ele se filiar ao seu partido. (Estado)

Sobre o Autor

admin

admin