Eduardo Cunha monta “pauta-bomba” para atingir governo Dilma

julho 27
17:30 2015

Após meses de crise constante com o Congresso, o governo pode esperar um segundo semestre ainda mais repleto de obstáculos, ao menos na Câmara. Desde que foi acusado de cobrar propina de US$ 5 milhões para viabilizar contratos com a Petrobras, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reagiu atacando o Executivo e começou a montar uma pauta-bomba para atingir o Palácio do Planalto. Cunha autorizou a criação das CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão e articula não somente deixar o PT fora do comando dessas comissões como também entregar a presidência ou a relatoria de uma delas à oposição. Outra medida de Cunha foi despachar 12 pedidos de impeachment da presidente Dilma para tê-los prontos para serem analisados pela Câmara.

Além disso, o peemedebista pautou para agosto a votação de todas as prestações de contas do governo, para limpar o caminho para as contas de 2014 de Dilma, em análise no Tribunal de Contas da União. Haverá ainda, na próxima sessão do Congresso, a votação de vetos a projetos com potencial de grande impacto nas contas públicas, como o que altera o fator previdenciário. Semana passada, Cunha disse haver grande possibilidade deste veto ser derrubado. No Planalto, a maior preocupação é com o projeto que dobra o reajuste do FGTS.

Segundo um ministro, se Cunha pautar a matéria, e conseguir aprová-la, “será um desastre para o governo”. Causa preocupação a derrubada de outros vetos, como o do reajuste do Judiciário. Um deles ainda está sendo analisado por Dilma, que tem prazo até o dia 30 para decidir: o da equiparação do aumento do salário mínimo com as aposentadorias. Cunha admite que será árida a jornada do governo no segundo semestre, mas nega que tenha contribuído para isso. Para ele, as dificuldades se devem mais à baixa popularidade de Dilma e à consequente falta de apoio da base aliada do que propriamente aos temas que a Câmara irá analisar.

— Não é pauta-bomba, é a pauta normal que já existe. O que muda é que a base do governo vai diminuindo à medida que a economia piora e a popularidade diminui. A dificuldade do governo aumenta na medida em que diminui o índice de aprovação. Isso faz a real diferença – disse o presidente da Câmara. O ímpeto oposicionista de Cunha está sendo considerado excessivo até por deputados de partidos de oposição ao governo, como o DEM e o PSDB.

— Ele vai criar tensões com o governo e mais embaraços. Não vai ter cerimônias nem limites. A oposição pode até comemorar, mas também se preocupa com o lado institucional. É preciso buscar equilíbrio, porque algo de muito grave poderá acontecer nos próximos meses – disse uma parlamentar da oposição. Na primeira semana de recesso, Cunha continuou a preparar o terreno contra o governo. Condenou a redução da meta do superávit anunciada pelo governo e previu “dias difíceis” até a aprovação do texto. (Ag. O Globo)

Sobre o Autor

admin

admin