Ministro recebe delegação para a Universíade da China e tem kung fu de Osasco fazendo parte

 Extra!
Ministro recebe delegação para a Universíade da China e tem kung fu de Osasco fazendo parte
agosto 09
20:02 2017

Na manhã de hoje o ministro Leonardo Picciani recebeu parte da delegação brasileira que está rumando para os Jogos Universitários de Verão, a Universíade 2017 que acontece no final do mês em Taipei, China.

Entre as modalidades que formam o card da Universíade tem o wushu, também conhecido como kung fu moderno. Esse modalidade é cem por cento esportiva e é com ela que a China sonha entrar no quadro olímpico. O wushu, cujo significado é simplesmente arte marcial, na China representa todo conceito do milenar kung fu, mas no ocidente a parte moderna adota o termo como que com exclusividade e em distinção ao tradicional.

Oras, essas questões técnicas não são o assunto, mas que o wushu nacional está indo para Taipei e que no grupo da Confederação Brasileira de Kung fu Wushu tem um de Osasco.

O faixa-preta Luiz Carlos não vai como competidor, pois é técnico da equipe brasileira. Depois de vários anos faturando pódios nacionais e internacionais, agora ele passa os conhecimentos como diretor da Confederação Brasileira.

São 10 mil competidores em Taipei e representando 170 países. Portanto, a Universíade é mesmo um evento top e com um pódio supervalorizado. Começa dia 19 agora e segue até o final do mês. A delegação brasileira conta 300 pessoas entre atletas, técnicos e dirigentes.

O professor Luiz Carlos sabe que as chances do wushu não são muitas, pois a equipe do Brasil vai enfrentar os feras da casa e de outros países que estão mais à frente em nível técnico. Por outro lado, os treinos foram intensos até agora e continuam ainda, já que o objetivo é surpreender o favoritismo dos adversários.

Das 14 modalidades que o Brasil disputará, as chances de medalhas são para cinco, conforme a própria Confederação Brasileira do Desporto Universitário. Assim, a delegação vai buscar pódio no atletismo, esgrima, natação, saltos ornamentais e taekwondo; as modalidades fora da zona de medalhas são o wushu, como já foi dito, mais badminton, ginástica rítmica, judô, tênis, tênis de mesa, vôlei, futebol e levantamento de peso.

Se o Brasil vai forte? Boa parte dos atletas é olímpica como Jackson Rondinelli, 23 anos, do saltos ornamentais e que se junta aos outros 18 que formam o grupo olímpico na Universíade.

Quer saber dos outros olímpicos? Pois bem, além de Rondinelli nos saltos ornamentais o Brasil conta com Aldemir Gomes e Vanessa Chefer no atletismo; Henrique Tavian e Nicolas Massao na esgrima. A natação vai com um bom grupo que esteve no Rio 16 como Allan Lopes, Daiene Marçal, Daynara Paula, Gabriel da Silva, Graciele Herrmann, Henrique de Souza, Larissa Martins, Ítalo Manzine, Leonardo Gomes e Manuella Duarte.

Nos saltos ornamentais, Jackson Rondinelli tem parceria de Ian Carlos e Tammy Calera; e por fim, o taekwondo fica para Maicon Andrade e Venílton Torres.

Aonde fica Taipei? Não é no continente chinês, mas na chamada Ilha Formosa, Taiwan. A cidade fica no extremo norte da ilha e tem mais de 2 milhões de habitantes.

De volta ao kung fu, além de técnico e diretor de wushu da Confederação Brasileira o osasquense Luiz Carlos tem academia no Jabaquara, próximo ao Metrô Conceição. Ele é faixa-preta 2º grau.

 

Faixa-preta Luiz Carlos.

 

Treino da seleção de wushu.

Compartilhar

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio