Com Fofão, Renan e Bebeto, agora são 12 do Brasil no Hall da Fama

 Extra!
outubro 25
22:52 2015

São mais de 120 nomes eternizados no Hall da Fama do Vôlei, e ontem à noite outros quatro foram agregados à essa seleção, sendo três brasileiros. Fofão, Bebeto de Freitas e Renan agora estão lá para sempre e somando 12 atletas nacionais emoldurando a galeria dos imortais em Holyoke, Massachusetts, cidade americana onde o vôlei foi criado em 1895 por William Morgan. Entre os três brasileiros, o americano Lloy Ball.

Hélia Rogério de Souza, a Fofão, encerrou a carreira há pouco tempo. Após deixar as quadras como jogadora ela foi guindada pela Confederação Brasileira de Vôlei e atua no Comitê de Apoio ao Conselho Diretor. Com cinco olimpíadas na carreira, Fofão era a capitã do Brasil quando o vôlei conquistava o primeiro ouro olímpico, em Pequim 2008. Tem ainda um bronze de Atlanta 1996 e de Sydney 2000. São quatro medalhas de prata em mundiais e quatro títulos de Grand Prix.

Paulo Roberto de Freitas era o técnico que levou o Brasil à primeira medalha olímpica, prata em Los Angeles 1984. Como jogador, Bebeto de Freitas disputou os Jogos Olímpicos de Munique 1972 e de Montreal 1976. E Renan Dal Zotto foi um dos astros da geração dos anos 80. Ele estava naquela seleção comandada por Bebeto de Freitas, prata em Los Angeles. Atualmente é diretor de Seleções da CBV.

O Hall da Fama foi criado há 30 anos e homenageia atletas, técnicos e dirigentes do mundo todo. Além de Fofão, Renan e Bebeto de Freitas, a galeria dos eternos do vôlei conta com outros nove brasileiros. O primeiro a entrar no Hall foi Bernard Rajzman, hoje com 58 anos. Como jogador, espantou o mundo com o saque Jornada nas Estrelas e integrou a chamada Geração de Prata na década de 80.

 Em 2006 o Hall da Fama chamou Jacqueline Silva, hoje com 53 anos, e que em 1996 foi campeã olímpica no vôlei de praia em Atlanta. Antes da praia, Jackie foi levantadora titular da seleção brasileiro na Olimpíada de Moscou, em 1980, e também na de Los Angeles em 1984. Pouco depois ela migrou para o vôlei de praia, sendo que na década seguinte seria reconhecida como a melhor do mundo na modalidade.

Depois de Jackie foi a vez de Carlos Arthur Nuzman ser agraciado, isso em 2007. Nuzman foi jogador da seleção brasileira na Olimpíada de Tóquio em 1964. É o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro. Dois anos depois, em 2009, o reconhecimento chega para Ana Moser, agora com 47 anos, e considerada uma das maiores atacantes da história do vôlei brasileiro.

Em 2010, dois nomes reforçaram a presença brasileira no Hall da Fama, Adriana Behar e Shelda, ambas do vôlei de praia e com uma carreira de muitas medalhas, naturalmente. Depois delas foi Maurício Lima em 12, bicampeão olímpico (Barcelona 92 e Atenas 2004). Por fim, no ano passado foi a vez de Nalbert Bitencoutr e Sandra Pires.

Nalbert também migrou para o vôlei de praia, mas na quadra foi medalha de ouro na Olimpíada de Atenas em 2004. Sandra é outra que trocou a quadra pela areia, e em 1996 tornou-se a primeira brasileira a conquistar ouro na modalidade – Olimpíada de Atlanta 1996, em parceria com Jacqueline Silva. (Márcio Silvio)

25. Hall da Fama 2

Sobre o Autor

admin

admin