CARAPICUÍBA: Balaloka volta da China com medalha de ouro e bike na rota de Tóquio 20

CARAPICUÍBA: Balaloka volta da China com medalha de ouro e bike na rota de Tóquio 20
novembro 13
12:36 2017

Esse moleque fez a festa em Chengdu, sede da Copa do Mundo BMX Freestlyle e também do Mundial. Gustavo de Oliveira volta para Carapicuíba com medalha de ouro, título que o coloca seriamente na rota olímpica.

A bike estreia nos Jogos de Tóquio em 2020 e Gustavo Balaloka estará perto dos 18 anos então. Mas não é por conta da idade que ele já é cotado como futuro olímpico mas é porque o moleque ele é mesmo fera. A medalha de ouro que traz da China é a melhor prova disso. Balaloka competiu na categoria Amador e enfrentou adversários de diversas idades e bem mais experientes – e foi campeão.

Depois disso e no mesmo parque em Chengdu, ele seguiu com a seleção brasileira para o Mundial Freestlyle, dessa vez na categoria própria, a Júnior. Balaloka iniciou com um ritmo forte e bem pegado, mas repentinamente foi perdendo o pedal nas últimas manobras e terminou em 9º lugar – o título ficou com o japonês Rimu Nakamura.

Os demais bikes da seleção tiveram pontuação bem abaixo na categoria Elite, como o 57º lugar de Caio de Oliveira, o 44º de André Luiz e o 31º de Cauan Pontes. E a única menina na equipe nacional foi show de bola. Com 16 anos, Dudinha por pouco não fatura o bronze – ficou em 4º lugar na Júnior e é outro grande nome da seleção.

Diogo Canina, ex-atleta e agora coordenador geral de BMX Park na Confederação Brasileira de Ciclismo, destaca que a participação do Brasil reforça a modalidade que ainda está em fase inicial de desenvolvimento no País.

 

 

Compartilhar

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio

CONTAGEM PARA 2018