Rio com duas tragédias no dia: morte do ministro e assassinato brutal da cantora Loalwa

 Extra!
Rio com duas tragédias no dia: morte do ministro e assassinato brutal da cantora Loalwa
Janeiro 20
15:06 2017

A queda do avião que levava o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, continua sendo a notícia da vez e com intensa repercussão. Várias especulações sobre a tragédia de ontem em Paraty circulam vorazmente, a maioria apontando para a famosa teoria da conspiração, já que o ministro era o relator da Lava Jato.

Mas na mesma quinta-feira uma outra tragédia era noticiada e com uma gravidade bárbara – a cantora Loalwa Braz Vieira, 63, era encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema, Rio de Janeiro. E segundo a perícia, ela foi queimada viva.

Um crime hediondo e com a polícia já capturando três envolvidos. Ainda ontem foram presos Wallace de Paula Vieira, Gabriel Ferreira dos Santos e Lucas Silva Lima. Eles invadiram a residência da cantora e a agrediram com pauladas e golpes de faca.

Loalwa ainda estava viva quando os bandidos a colocaram no carro para a fuga. Acontece que o veículo teve problemas mecânicos e parou. Então eles decidiram incendiar o carro e com a cantora agonizando no interior. Os criminosos foram capturados com facilidade pela Polícia Civil e agora estão no Complexo Penitenciário de Bangu.

A cantora foi um grande sucesso com o grupo Kaoma três décadas atrás, quando a lambada era o ritmo da vez no País. A vocalista era conhecida como a voz da lambada nos anos 80.

Essa tragédia ganhou muito destaque fora do País, especialmente na Europa onde o grupo Kaoma fez muito sucesso com a música ‘Chorando se foi’, com mais de 15 milhões de cópias vendidas em mais de 100 países.

Apesar do muito dinheiro que ganhou, a vida da cantora não foi fácil por conta de envolvimentos com pessoas que a prejudicaram. No mais, o único e grande sucesso do grupo Kaoma e que conquistou o mundo, também enfrentou problemas quando o grupo boliviano Los Kjarkas entrou com ação de plágio. A batalha jurídica foi intensa e vencida pelos bolivianos muitos anos depois.

Compartilhar

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio