PASSEIO DA HORA: de volta ao passado, sobre trilhos

 Extra!
Janeiro 24
07:40 2016

Não é questão de saudosismo. Há um misterioso glamour moldando os trilhos, histórias de viagens marcando um período de ascensão social no País, especialmente em São Paulo. Nesta região metropolitana ainda há sinais da extinta linha Sorocabana. Trens com carros leitos, restaurantes e toda comodidade do momento são hoje conversas de museus, lembranças dos que tiveram essa experiência.

Viagem de trem é um quesito que falta na bagagem do moderno turismo. Só quem viveu esse período é que pode dizer o significado do trem de viagem, especialmente ao Maria Fumaça. Pois bem, a geração posterior a esses trilhos tem oportuniade de sentir um pouco do que seria uma viagem daquelas.

As velhas máquinas estão por aí levando curiosos e românticos por algumas partes de São Paulo, projeto tocado pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos e pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, situada em Campinas e que tem as regionais São Paulo e Sul de Minas, contando quatro trens turísticos – todos com autênticas locomotivas a vapor.

TREM DOS IMIGRANTES
Ao lado do Memorial do Imigrante está o Núcleo Histórico dos Transportes, e ali há um trenzinho (Maria Fumaça genuína) que faz parte de um trecho do antigo Ramal Ferroviário dos Imigrantes – sai da Estação do Memorial, segue até a rua da Moóca e no retorno passa pela Estação do Brás até o ponto de partida, passeio de 3 quilômetros.

Além de curtir a Maria Fumaça o visitante se depara com as velhas máquinas em repouso, um espetacular acervo com locomotivas lendárias da Cia. Paulista e os carros de madeira da São Paulo Railway, por exemplo.

Esse passeio leva cerca de 25 minutos e são três ou quatro vagões puxados pela Maria Fumaça aos sábados, domingos e feriados a partir das 10h30 e até as 16h.

O Trem dos Imigrantes fica na rua Visconde de Parnaíba, 1.253, bem em frente ao Memorial do Imigrate, próximo da estação Bresser Moóca do metrô. Mais informações pelo 2695-1151.

TREM DOS INGLESES
O destino é Paranapiacaba e na segunda locomotiva mais antiga do Brasil, a inglesa Sharp Stewart que data de 1867. No Museu do Funicular o visitante volta ao passado diante desses dinossauros de ferro.

É o maior museu a céu aberto do País e o passeio é com monitor contando toda história das velhas máquinas. Funciona nos fins de semana e feriados, entre 10 e 16h, e mais informações no 2695-1151.

TREM DE GUARAREMA
Esse passeio é novo, inaugurado em outubro do ano passado. Partindo de Guararema, cobre 6 quilômetros até Luiz Carlos pela antiga Estrada de Ferro Central do Brasil.

Quem puxa a viagem é a locomotiva 353, a maior Maria Fumaça em atividade no Brasil. Os carros são outra atração, aqueles legítimos de madeira da SPR. Literalmente, o turista faz uma viagem no tempo.

Chegando em Luiz Carlos as atrações seguem com visita à vila da ferrovia, casas daquela época nostálgica, com todo ambiente da cidade voltado para esse serviço turístico. Mas antes de ir em busca desse roteiro, a dica é ligar para ter informações certinhas dos serviços – nos 4695-3765 e 4695-3782.

CAMPINAS
Partindo de Anhumas com destino a Jaguariuna, mais uma possante em ação e numa viagem espetacular, 3h30 de trilho até a Estação Pedreira. A máquina é do século XIX e passa por fazendas, plantações, gado leiteiro e muitas construções da época ativa da ferrovia.

Monitores estão nos carros (vagões) contando histórias e causos da época do café. O trem para em Tanquinho, e ali há muitas coisas daquele tempo – como um telefone que funciona a manivela. Na chegada em Jaguariuna (Pedreira), passeio garantido ao museu para completar a viagem de volta ao passado.

Esse trecho é da antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Os serviços são nos fins de semana e feriados, a partir das 10h10. E como nas outras dicas, antes de tudo vale ligar para ter mais informações: 0800-8802006 e 0800-8802007.

EXPRESSOS CPTM
Mas há outras opções além dessas quatro linhas da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, como o Expresso Turístico da CPTM, que reformou a locomotiva dos anos 60 e mantém aquele requinte das viagens de longo percurso.

O expresso parte da Estação da Luz aos sábados, às 8h30 para Jundiaí, e retorna às 16h30. Aos domingos o destino é Paranapiacaba e no mesmo horário.

Em Jundiaí há o Museu da Companhia Paulista, mas além disso há opções para caminhadas e trilhas na Serra do Japi. Outro lance legal é o Circuito das Frutas com uva, caqui e morango em abundância.

Já em Paranapiacaba todo mundo sabe da vila histórica e do museu a céu aberto. Mas também há alternativas para caminhadas e trilhas pela Serra do Mar ou Nascentes do Rio Grande.

Mais um trem da CPTM é o Expresso Mogi das Cruzes, 1h30 de viagem com partida na Estação da Luz e chegada em Mogi. Mas o percurso é pelos trilhos da antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, ferrovia imperial que ligava Rio de Janeiro a São Paulo.

É a atual linha Safira, Brás a Calmon Viana. Em Mogi, vale diversão nas corredeiras no rio Itatinga, tem ainda o Parque Centenário e o Museu Guiomar, entre outras atrações para passar o dia.

Lembrando que o Expresso Turístico da CPTM não é com Maria Fumaça. São aqueles trens de aço inoxidável da década de 60 e com locomotivas a diesel. Esses trens trabalharam na linha Araraquarense que saía da Luz com destino a Santa Fé do Sul – passando por Campinas, Araraquara e São José do Rio Preto.

Para confirmar horários, valores e dias de operações dessas máquinas da CPTM, ligar para o 0800-0550121. É importante se informar antes porque essas viagens não são semanais. (Márcio Silvio)

NOTINHAS
– como o nome sugere, locomotiva a vapor funciona com uma caldeira onde o combustível gera o vapor que alimenta a propulsão da máquina.
– o apelido Maria Fumaça também é óbvio, pois refere-se ao denso vapor expelido pela chaminé.

Maria Fumaça 1 Maria Fumaça 2 Maria Fumaça 3 Maria Fumaça 4 Maria Fumaça 5 Maria Fumaça 6 Trem de Prata 1 Trem de Prata 2 Trem de Prata 3

Sobre o Autor

admin

admin

CONTAGEM PARA 2018