OPINIÃO: não há mais crime organizado, mas grupos terroristas

 Extra!
OPINIÃO: não há mais crime organizado, mas grupos terroristas
Janeiro 15
22:14 2017

O Brasil não vive um estado de insegurança apenas, assim como não se trata mais de um estado de criminalidade desenfreado vencendo a força policial. Fosse uma disputa entre mocinhos contra bandidos, com o tempo o final até que poderia ser feliz para a sociedade, mas também não se trata disso.

O que o Brasil vive hoje extrapola toda e qualquer questão da segurança pública, e a tendência é que a escalada do crime organizado avance para um rio de sangue ainda mais sinuoso. É que o governo brasileiro trata dessa realidade politicamente, sendo que a emergência exige uma postura de estratégia militar. Não vai adiantar nada construir presídios federais, assim como de nada valerá vigilância máxima e isolamento aos barões do crime organizado.

As células criminosas não são mais facções se degolando por territórios até que a polícia chegue para pôr ordem. Não se trata mais disso. A atuação do crime organizado supera todo cerco da inteligência policial e o governo continua sempre chegando atrasado – e quando fica sabendo, o caos já aconteceu.

É que o crime organizado não é mais amador, como não está mais trocando tiros nos becos escuros só para depois pixar muros e marcar território. Esse tempo já foi. Agora o Brasil enfrenta uma organização com postura multinacional, aparato jurídico e suporte logístico que segue a linha das Forças Armadas.

O crime organizado deixa para trás esse perfil de gangue de bandidos e atinge o alarmante nível dos grandes grupos terroristas. O procedimento do Primeiro Comando da Capital, por exemplo, se aproxima muito do usado pelos terroristas tanto na convocação de soldados quanto na divulgação doutrinária.

Atua nas instituições financeiras, bem como em órgãos públicos em todas as esferas. Para isso, conta com profissionais de várias especialidades atuando diuturnamente. Tanto é que somente ontem que a inteligência da nossa polícia conseguiu decifrar um código indicando remessa de R$200 mil que o PCC paulista mandou para os soldados que lutam na Amazônia.

Sim, de dentro das prisões de segurança máxima os chefes sentem-se à vontade para cuidar de toda transação, pois como já disse, há um batalhão de profissionais trabalhando pelo PCC em diversas áreas e possibilitando o livre curso tanto de dinheiro como de armamentos.

Qual a diferença dessa operação para a dos grupos terroristas. De São Paulo o PCC atua na região Norte do País com o Amigo dos Amigos, facção que está em guerra com o Comando Vermelho e com a também famigerada Família do Norte. E para fortalecer a guerra, então do solo paulista partem muita grana e armamentos pesado.

E para responder ao poderosíssimo PCC, agora a Família do Norte avisa que também se reforça poderosamente. Está sendo divulgado que a FDN agora recebe as temidas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Ou seja, esse crime organizado importa tecnologia em termos de terrorismo para combater o PCC, e já há informações que as Farc vão mapear uma linha de ataques no Brasil bem ao estilo do conhecido Cartel de Medellín.

Essa informação parte da própria Secretaria de Segurança Pública do Amazonas que, aliás, seria um dos primeiros alvos da FDN/Farc. Essa associação com a rede colombiana trás a esse cenário de guerra um armamento ainda não bem explorado por aqui – bombas.

O FDN não vai apenas receber esse tipo de material como também será treinado pela Farc para fabricação própria. A união dessas siglas fortalece-se agora para o combate contra o PCC, já que o comando paulista é ameaça à rota do tráfico internacional que tem cobertura do grupo amazonense, sendo que os traficantes da Colômbia são parceiros nessa operação. Portanto, ao declarar guerra ao FDN o PCC também desafia os colombianos. Nós estamos falando de fuzis AK-47, de lançadores de foguete, de submetralhadoras Uzi. No mais, todo mundo já classifica as Farc como grupo terrorista e o PCC quer chegar a esse nível operacional.

É a realidade do País, sendo que a cada ação do crime organizado o cidadão vai vendo a segurança chegando sempre atrasada. Primeiro instala-se o caos para, na sequência, ouvirmos discursos e promessas de garantias por parte das autoridades competentes.

Enquanto o crime organizado não for tratado com o peso que merece, a vítima continuará sendo nós. Os bandidos de hoje não querem apenas traficar ou roubar bancos, querem levar caos à sociedade e dominá-la, querem explodir o País. Então, não são apenas bandidos, são terroristas. Por isso que nossa polícia está perdendo essa batalha – pois a política diz que isso deve-se à crise carcerária e que a solução são mais presídios. Enquanto isso, e literalmente, cabeças estão rolando…

Compartilhar

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio