Asteroide fantasma pega Nasa de surpresa e cruza próximo demais

 Extra!
Asteroide fantasma pega Nasa de surpresa e cruza próximo demais
Janeiro 10
14:08 2017

Susto, mas sem alarme. O Observatório Catalina da Universidade do Arizona, havia rastreado o asteroide 2017 AG 13 no sábado. E ficou nisso, até que ontem a Nasa foi surpreendida com a passagem dele nas proximidades da Terra. O susto é porque o objeto espacial ficou fora dos radares e surgiu feito um fantasma.

A vigilância sobre esses colossos que vagam pelo espaço é missão diuturna da agência americana, que calcula cerca de outros 40 asteroides que devem passar pelo entorno do planeta. Isso é um fato corriqueiro na ordem do universo mas, é claro, sempre há aquele risco de algum mudar o curso repentinamente e furar o bloqueio terrestre como o que explodiu na Rússia em 2013.

O asteroide fantasma que ontem passou próximo de nós media até 34 metros e vazou numa velocidade de 16 quilômetros por segundo. A Nasa estima que o tamanho do objeto equivale a um edifício de 10 andares. Em termos de distância, passou a 190 mil quilômetros, quase metade do espaço entre nosso planeta e a Lua.

Caso o asteroide entrasse num curso de choque com a Terra, a Nasa acredita que se desintegraria no ar, mas numa explosão que seria 12 vezes maior que a bomba atômica da II Guerra Mundial. No entanto, essa explosão seria numa altitude muito acima e que chegaria à nós como um grande som de trovão, nada mais.

Apesar disso, a chegada invisível desse asteroide acende as luzes de alerta da Nasa porque trata-se de um objeto de tamanho considerável e que, sem explicação ainda, ficou fora dos radares.

Outra pedra gigante está em rota de colisão segundo a astrônoma Judit Györgyey-Ries, do Observatório McDonald da Universidade do Texas. Em abril do ano passado ela mapeou o objeto, disse que tem cerca de 40 metros e que esse, ao contrário do fantasma que passou por ontem, pode furar o boqueio terrestre.

A cientista explica que esse asteroide tem o tamanho da Estátua da Liberdade e prevê a colisão em outubro. Mas todos os cálculos astronômicos são gigantescos e, assim, ela ressalta que as chances de colisão é de uma em um milhão. Mas caso dê zebra e a pedra gigante caia, a cientista diz que os danos dependeriam do local do impacto.

Judit Györgyey-Ries lembra que em 2012 um asteroide semelhante a esse anunciado, passou a 94,800km de distância da Terra em outubro de 2012. Essa pode ser a mesma rota seguida pelo astro anunciado, segundo a cientista. No entanto, fica o alerta para a chance astronômica de colisão, de uma em um milhão.

Compartilhar

Sobre o Autor

Marcio Silvio

Marcio Silvio